domingo, julho 12, 2009

Achados


Para além do muito trabalho na caverna-laboral, decidi também fazer algumas alterações na caverna-lar, ando que não posso com um hipopótamo-pelo-rabo!

Nas arrumações/desarrumações encontrei um livro que há muito não via: “História de Portugal” de
Antonio José Viale. (alegremente “desviado” há uns anos da caverna da minha diabba-mamã)

Conheço pelo menos uma pessoa
que era bem capaz de me matar para possuir esta preciosidade (até já lhe imagino os olhos injectados de sangue, e estou a vê-la a meter um punhal no estojo da lima das unhas), o português escrito está com uma grafia fabulosa. Venha lá esse Acordo Ortográfico, estás perdoado! Hihihihihi

Sinto pena que algumas palavras se vão perdendo, eu mesma conheço algumas que usei na infância, e que hoje, os escravos não fazem a mais pálida ideia do seu significado.

Exemplos?

Escano;
Escaleira;

Bufar; (não, não é peidar-se, nem tão pouco andar a contar segredinhos ao chefe)
Ougar;
Estarrincar;
Garruço;
Enxerga;
(não, não é sinónimo de ver)
Cucho;
Pita;
(não, não é uma rapariga de 15 anos)
Pito; (não, não é o órgão sexual feminino)
Reco;
Zurrar;
Etc etc
(não, “etc” não é uma daquelas palavras antigas que eu conheço) hihihihi

Para verem do tipo de grafia que estou a falar, vou transcrever a introdução da obra, de 278 páginas:

“A historia de Portugal póde dividir-se em cinco periodos.
O primeiro comprehende os factos anteriores á existencia de Portugal como estado independente, desde tempos remotos até ao governo do conde D.Henrique, pelos annos de 1094 ou 1095 do nascimento de nosso Senhor Jesus Christo.
(esta referência era bem escusada)
O segundo encerra os successos do governo do conde D.Henrique, o estabelecimento da monarchia real pela acclamação de D. Affonso Henriques, e os outro acontecimentos occorridos sob o governo dos reis da primeira dynastia (Affonsina). Desde 1095 até 1385.
O terceiro periodo decorre do sobredito anno 1385 até ao de 1580, durante o qual occupou o throno a dynastia de Aviz (Joannina).
O quarto periodo é o da usurpação castelhana, de 1580 a 1640.
O quinto periodo finalmente involve os acontecimentos occorridos desde a restauração de 1640 até aos nossos dias, debaixo do regimen dos reis da serenissima casa de Bragança.”

Ahhhh as alterações na caverna-lar?? Estou quase a viver numa biblioteca!

Viva!!

Nota: a obra foi editada em 1878, e é uma 3ª edição, da Livraria de Lisboa & Cª.




11 comentários:

Teresa disse...

CREDO!

Isso é livro para ler de dicionário na mão! Com toda a honestidade, só reconheci duas palavras: enxerga (substantivo, não forma verbal) e zurrar.

Mas eu era lá mulher para te matar? QUEM ME FARIA RIR DEPOIS?

Beijos.

RAMIRO ANDRADE - O PROVOCADOR disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
tronxa disse...

engraçado, acho que tenho la por cima um especime dessa raça!!

ehehehe

bjnhssssssssssssssss

pedropina disse...

tens de ler isso com luvinhas!!!

Diabba disse...

Teresa,
Sim sim, tu pensas que me enganas, pensas que eu não manjo esses olhinhos a luzir de cobiça?
Quanto ao resto da palavras, são do mais simples que há, fala com o Manuel.

Ramiro Andrade – o provocador
Meu caro:
1 – Este blog não tem nada de democrático – aqui quem manda sou eu.
2 – Não admito aqui propaganda política, seja contra, seja a favor do governo, seja lá qual for a cor governamental.
3 – Louvo a sua preocupação com a minha potencial cegueira. Foi esse o motivo para escrever em maiúsculas?
4 – Louvo ainda o cuidado ao pensar: “se não for cega, é surda”, pois todos sabemos que maiúsculas na www significam falar alto.
5 – Na caixa de comentários está o aviso “a democracia não mora aqui”, e não mora mesmo.
6 – VOU APAGAR O SEU COMENTÁRIO!! (Não vá você padecer dos males que pensa serem meus)

Tronxa,
Mau, não só o diabbo-marido quer ir ao sótão da tua caverna, como agora, também eu quero lá ir!
(e teres a piscina já cheia, e a chamar por mim, não influenciou nada a resposta) hihihihi

Pedro, pina? (hihihihihi devo estar a ser tãoooo original),
Eu ler, é mais com os olhos.

Teté disse...

Ninguém sabe o que quer dizer zurrar?! Bom, OK, aqui o filhote só se lembrava que era uma "voz" de animal, não se lembrava qual... :)

Garruço ainda hoje uso. Enxerga e reco (esta sai muito em palavras cruzadas) nem por isso, mas conheço os seus significados. As outras não (já vi que escano é diferente de escaninho, que essa conhecia), mas ainda bem que a língua se actualiza! É sinal que está viva... :D

Continuação de boas leituras, aí na tua caverna!

Beijoca enxofradita!

Gi disse...

Vê lá se a cadela-diabba também acha o livro e se torna uma Historiadora dos Diabos.
Tenho a certeza que a Teresa conhece mais palavras que as que diz. Se eu conheço, ela também. ;)

Capitão Merda disse...

Tais divisões históricas não fazem, à luz dos conhecimentos actuais, qualquer sentido...

:))

Capitão Merda disse...

Quanto à palavras que referiste, para mim não constituem novidade.
Já li resmas desses livros velhotes...

;)

vício disse...

xiiii... não tens corrector ortográfico no PC?

White_Fox disse...

Uma verdadeira relíquia
bjs

Plágio encapotado. Ler post de 10.Abril.2011.