sexta-feira, fevereiro 12, 2010

Discriminação (post 1)

Esta semana enquanto esperava que o julgamento que ia fazer começasse, e na falta de um livro, optei por ir assistindo a outros julgamentos, há sempre qualquer coisa que se aprende, ou, pelos menos, nos faz pensar. Foi o caso, 2 julgamentos que me fizeram pensar, cada um à sua maneira, e vou fazer deles dois posts diferentes, cá vai um:







Estavam em julgamento 3 rapazes, por furto de automóveis de gama alta. Um dos automóveis ficou absolutamente destruído num acidente.


Um contou os factos, mas garantiu que só acompanhou os outros “no lugar do pendura” e que “ai e tal, nem sabia que os carros eram roubados(está bem, canta-me aqui ao ouvido)


Outro, não apareceu. (normal, muito normal)


O terceiro, remeteu-se ao silêncio, e é deste que quero falar.


Era um miúdo com um ar muito limpinho, com uns olhos claros, muito difíceis de esquecer, nada parecido com o outro (que até estava preso e veio acompanhado por guardas prisionais, como é normal), mas este miúdo (devia ter uns 20 anos) estava com um ar triste, e foi exactamente o ar dele que me chamou a atenção até antes do julgamento começar, um miúdo com muito bom ar, lindo que se fartava, e, para mim, notoriamente gay.


Até aqui tudo normal, normal até o julgamento terminar e o tal miúdo sair da sala de audiência, e eu, que decidi ir tomar café encontrei-o a chorar convulsivamente, tentei tudo para o acalmar, comigo falou – que sim, que tinha “roubado” os carros, e que tinha muitos processos ainda por julgar, que foi uma fase, etc etc.


O que me preocupa não é que ele seja condenado, uma vez que cometeu os crimes tem que pagar por esses factos, o que verdadeiramente me preocupa é eu conhecer os nossos Estabelecimentos Prisionais (EP).


Não há alas diferentes para quem tem uma opção sexual diferente da dita “normal” (notem as aspas, para mim todas as opções são normais). E este miúdo, porque é um miúdo, mesmo que seja maior de idade, vai ser o cu de serviço no EP onde calhe. Haver alas diferentes não me parece que seja discriminação, mas sim protecção.


Estou desolada.

6 comentários:

Madalena disse...

Ai que me estragaste a noite :(((

Diabba disse...

Mad,
Lamento, mas tenho que te dizer que esta é uma história leve.
]:-(

tronxa disse...

minha kerida diabba, akilo k me é dado a conhecer é que seja ou não homossexual, kd entra num ep o mais certo é ser violado... goste ou nao goste... e muitas x fomentados pelos proprios guardas prisionais...

isso sim é muito triste!

bjnhssssssssssssss gordos!

Teresa disse...

Custou-me tanto ler esta história como me custou ouvi-la quando ma contaste de viva voz.
Desolada é mesmo a palavra. Pobre miúdo!
E fica esta sensação de impotência, porque nem tudo é farinha do mesmo saco, e há casos que deveriam merecer alguma protecção.

Imperator disse...

ola Diabba,

o que é que andas a fazer com o calor que por este Portugal anda tudo fresquinha, como Diabba que és, partilha lá dos calores infernais aqui com a malta.

esta história da descriminação tem muito que se diga, muito mesmo.

das histórias de arguidos tenho ouvido de tudo um pouco, embora num meio pequeno mas não sendo por isso que os "artistas" são pequenos.

se calhar, não é de uma ala diferente que os EPs necessitam.

mais que uma ala, mais necessário sim é a consciencialização e o respeito pela opção sexual que se tomou.

sempre ouvi falar em ressocialização como parte das pseudo teorias penais sobre o que se pretende de uma pena.

tenho visto algumas boas condenações e outras péssimas, e a falta de optar por penas diferentes da pena de prisão ou da pena de multa (que ai daqui del rei se se fala em conversão em trabalho)

as penas comunitárias cada vez mais, penso eu de que... teriam efeito ressociabilizante em arguidos como o que aqui descreveste... vontade de as aplicar... pois...

não vejo os Meritíssimo a querer das muitas vezes ponderarem essa situação, para não falar que o trolha (com todo o respeito para os trolhas de profissão) que faz as leis, ou cavador ou lá que é que ele é, não se lembrou de prever certo tipo de punições.

mas, tendo em conta a idade e arrependimento talvez no fim ainda se safe com uma pena suspensa... qui ça

Gi disse...

Para Diabba tens muito boa alma.

Plágio encapotado. Ler post de 10.Abril.2011.