segunda-feira, novembro 26, 2012

Minizines, Fanzines, Prozines, e outros zines




Entre os que me conhecem sabem que basta falarem-me em Fanzines para eu ficar imediatamente com urticária (para além do pêlo todo eriçado).
Parece-me que cada coisa tem o seu lugar, e estes “zines” nada mais são que experiências de quem se quer aventurar no mundo dos desenhos  Ilustração/Banda Desenhada, e isso, em princípio acontece quando esses candidatos a artistas andam no liceu, vá admito, até ao fim da faculdade, mais que isso… façam-se à vida. Ou têm jeito para o desenho, e se têm, arranjem um argumentista e atirem-se ao trabalho, e levem o projecto já quase pronto (ou no mínimo 50% pronto) a diversas editoras.
Vão levar com imensos “nãos”, temos pena é assim. E se os editores onde forem vos indicarem erros, quer no desenho, quer no argumento, ENGULAM (apendi isto este fim de semana numa Masterclass dada pelo Mário Freitas, da editora Kingpin, organizado pela BD ao Forte), não contra-argumentem, não defendam os vossos erros, pensem numa coisa simples: O editor sabe mais que vocês, tem mais experiência, e finalmente – se lutarem com o editor, é certo que ali não conseguem editar nada.
Tudo isto porquê? Porque adquiri um “Minizine” a um “zinista” convicto, mas que já tem idade para se deixar de zines e passar para outro patamar.
Usa o pseudónimo de Chaka Sidyn, e o que eu tenho para lhe dizer é isto:
Desenhas melhor que eu, mas essa não é a tua praia, não tens um talento inato, gostas, treinas, mas não, desenha para ti treina muito se isso te faz feliz, treina mãos e pés, muitos, mas guarda na gaveta.
O mesmo já não digo quanto aos teus argumentos, gostei muito, tens aquilo que o Mário Freitas disse ser o “mostra, não digas” ou seja, consegues com que o desenhador faça o que queres transmitir, e não precisas de muitas palavras para lá chegares.  Gostei imenso de “Um erro” (mas não gostei do desenho, e vou-me abster de dizer o nome do autor), “As grilhetas invisíveis” (e ainda gostei menos do desenho, este desenhador tem de treinar muito, muito,  muito proporções, e mãos, entre outras coisas), “Perfeita”, e aqui és o argumentista/desenhador, mantenho o que disse: Aposta no argumento, é nisso que és bom.
Finalmente, e para não estar só a bater  nos desenhadores, informa a Daniela Viçoso que gostei imenso do traço dela na história “Um dia” (com mais um argumento teu), ela que insista e não desista, e tu, se funcionou bem a parceria, porque não apostam em formar “par de trabalho” (não estou aqui a dar uma de cupido, entenda-se, esse não é o meu departamento), a história de “Um dia” está muito boa, desenhos expressivos, onde o “mostra, não digas” estás presente na medida exacta.
Já agora Chaka Sidyn, atreve-te a escrever histórias mais longas, atreve-te a sair dessa zona de conforto que são os “zines”, já não tens idade para isso. Arrisca. Podes ter uma boa surpresa.
Podem ver o blog do Chaka Sidyn aqui: http://sanktio.blogspot.pt/

 

2 comentários:

Hugo Silva disse...

O homem está sempre a desistir, isso já não se endireita não e nunca sairá disso. E não tenho pachorra para esse fanzines não, como tu dizes, já não ando no liceu para essas coisas.

Chaka Sidyn disse...

Hugo, não andas no liceu mas ainda te comportas como se lá andasses, e andar sempre a desistir é um bocado exagerado para quem esteve um década ausente.

Relativamente ao ser fanzine, se estiveres disponível para financiar um álbum ou mini-série avisa que terei todo o gosto em fazer, até existem uns guiões feitos ;)

Plágio encapotado. Ler post de 10.Abril.2011.